Arquivo
Tags

Qual o valor de uma auditoria?

Quando falamos de práticas de sustentabilidade voltadas à gestão de fornecedores, é bem comum citar as auditorias socioambientais, principalmente em setores onde a cadeia produtiva possui um volume grande de fornecedores, como é o caso dos setores têxtil e agrícola. Mas o que representa isso num contexto econômico? Qual o “valor” de uma auditoria?


É comum considerar as auditorias como um mal necessário, que gera custos e demanda tempo das empresas auditadas. Esse fato leva a uma opinião geral de que auditorias são somente fatores de custo, sem produzir efeitos financeiros positivos para as organizações. Essa opinião é muitas vezes baseada na falta de visão estratégica e que não reflete os resultados que auditorias geram de fato.


Grandes organizações estão cada vez mais utilizando processos de auditorias socioambientais em seus fornecedores como uma forma de monitorar potenciais riscos na sua cadeia e assim prevenir os problemas na sua origem. Em vários setores, a malha fornecedora é extensa e complexa, gerando um volume alto de auditorias e assim sendo, destinando um montante financeiro considerável para sustentá-las. O problema é que não há uma visão estratégica sobre como os processos de auditorias devem ser aplicados. As organizações precisam conhecer sua cadeia de fornecimento, definir suas categorias que representam maior risco e assim estabelecer critérios para um roteiro de auditoria de forma mais assertiva, alinhado com os interesses e objetivos das organizações.



Segundo o site Standards Map (standardsmap.org), atualmente existem mais de 200 normas e certificações de sustentabilidade no mundo, tanto setoriais quanto padrões de escopo específico, tais como, emissões, direitos humanos, manejo florestal, e outros. Além do grande número de certificações, muitas vezes são normas desenvolvidas por alguma associação setorial, que com frequência, são aderidas pelas mesmas empresas que aplicam adicionalmente seus próprios processos de auditorias. Neste caso, estamos falando de auditorias duplicadas, porém não complementares. É necessário um trabalho forte para que as auditorias sejam integradas, um grande desafio para as organizações do mesmo setor, concorrentes, e que compartilham da mesma cadeia de fornecimento.


Sob a ótica dos auditados é ainda mais comum haver questionamentos, sejam pelo custo direto das auditorias (quando financiadas pelo auditado), seja pelos valores destinados a adequações, que muitas vezes se referem à demandas legais, portanto, mandatórias. O que falta nas empresas auditadas na verdade é um conhecimento básico de sistemas de gestão para apoiar a realização das auditorias, e até mesmo se prevenir de adequações não previstas nos orçamentos administrativos.