Arquivo
Tags

ATUALIZANDO SUA MATRIZ DE MATERIALIDADE APÓS A COVID-19


Como considerar os impactos da crise global de saúde em sua estratégia de sustentabilidade?

Como o mundo está em vários estágios de recuperação do impacto do coronavírus, fica claro que, embora haja um 'novo normal', as empresas pretendem voltar aos negócios o mais rápido possível. Como o Covid-19 afeta a estratégia de sustentabilidade da sua empresa e como isso deve se refletir em sua matriz de materialidade? Você deve descartar sua matriz antiga e reconstruir do zero? As pandemias deveriam aparecer nela?

1. Princípios de design para materialidade As avaliações de materialidade são a base de um bom relatório de sustentabilidade, permitindo que as empresas identifiquem questões de sustentabilidade que são importantes para seus stakeholders e para o sucesso dos negócios. É importante começar relembrando quais aspectos definem um tema material. Com base em padrões reconhecidos como o GRI, um tópico é material quando:

  1. Está relacionado impactos que a organização tem sobre a economia, o meio ambiente e a sociedade;

  2. Influencia significativamente a avaliação e as decisões das partes interessadas com relação a organização;

  3. Pode ser interno, ou externo as atividades da empresa, mas está ligado a ela por uma relação de causa ou contribuição.

Além disso, é importante que a matriz de materialidade tenha uma perspectiva de futuro e de novos cenários que vão influenciar os negócios. Segundo a CSR Europe e os dados do Coronavirus TRUELAB, a pandemia do COVID-19 fez com que temas se tornassem materiais em um curto período de tempo. Em outras palavras, o COVID-19 destacou a relevância do processo de materialidade ser dinâmico para as empresas. Este artigo explora vários dos fatores a serem considerados ao decidir sobre o impacto da pandemia em sua matriz de materialidade e se uma atualização seria apropriada.

2. Expectativas das partes interessadas A velocidade em que questões relevantes da atualidade se tornam materiais está acelerando. Trabalhos recentes mostram que o crescimento da evidência (informação, estudos científicos) sobre porque um problema deve ser material, somado à ampla difusão dos temas, leva a um aumento do ativismo das partes interessadas. Esse fato pressiona as empresas a apresentar resposta aos temas críticos para que não arrisquem perder clientes e funcionários realmente engajados. As partes interessadas, tais como organizações não-governamentais (ONGs), ativistas e grupos da sociedade civil, estão agora muito mais equipadas para impactar o desempenho de um negócio, muitas vezes antes que a maioria dos investidores tome consciência disso. Em um mundo hiperconectado, no qual as informações podem ser disseminadas ampla e imediatamente, movimentos como #Blacklivesmatter podem emergir e alcançar escala rapidamente, criando desafios legais, de marca, de recrutamento, retenção e outros desafios para qualquer empresa cujas políticas contra discriminação sejam inadequadas. A capacidade de antecipar as reações das partes interessadas às questões emergentes de sustentabilidade e como elas podem afetar um negócio e seu desempenho é, portanto, fundamental. Com relação à pandemia do coronavírus, certamente vão ocorrer alterações no eixo vertical da matriz de materialidade, já que as perspectivas e expectativas das partes interessadas em relação à empresa mudaram no cenário pós-coronavírus. Atender efetivamente a essas expectativas começa com a compreensão de duas dimensões principais: como as empresas estão respondendo agora e definir como as empresas devem responder no futuro. As partes interessadas externas podem esperar que a empresa intensifique suas ações nas comunidades locais onde opera, assuma mais responsabilidade como empregador, que coloque a saúde, a segurança e o bem-estar de seus funcionários em primeiro lugar. Os funcionários podem ter preocupações com a privacidade e estrutura de trabalho em casa. Já os investidores querem ver como a empresa é resiliente a eventos inesperados desse tipo. O COVID-19 aumentou a atenção sobre fatores de risco, incluindo ameaças à saúde pública, interrupções na cadeia de suprimentos e flexibilidade operacional. É muito provável que as partes interessadas estejam examinando a empresa de forma ainda mais atenta e com expectativas diferentes. É necessário iniciar um diálogo direto para entender sobre suas novas prioridades e aproveitar a oportunidade para levantar ideias sobre como agir melhor. Nesse sentido, a Truvalue Labs lançou um painel dedicado, o Coronavirus ESG Monitor, e um conjunto de dados exclusivos COVID-19, ambos gratuitos para o público. O Gráfico abaixo mostra os setores que dedicaram mais atenção a COVID-19. Os setores de Saúde, Linhas de Cruzeiro e Carnes, Laticínios e Aves receberam a maior atenção do COVID-19 entre as indústrias.

Além disso, o contexto de engajamento de stakeholders deverá ser revisto, deve haver um processo de inovação no modo como engajamos, e não será simples. Teremos que manter a qualidade do engajamento e o acesso a todas as partes interessadas de maneira remota/on-line já que devemos seguir com o